Notícia

03/04/2017

Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016

O DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, por
meio do Sistema de Acompanhamento de Salários (SAS-DIEESE), apresenta os resultados das
negociações dos reajustes salariais de 2016.
Foram analisados os reajustes de 714 unidades de negociação da indústria, do comércio
e dos serviços do setor privado e de empresas estatais em quase todo o território nacional. Os
dados mostram que apenas 19% dos reajustes analisados resultaram em ganhos reais aos salários,
segundo comparação com a variação dos preços medida pelo INPC-IBGE1. Cerca de 44%
dos reajustes tiveram valor igual à variação do índice de inflação e os demais 37% ficaram
abaixo.
A variação real média foi negativa: 0,52% abaixo da inflação.

 

Resultados:

O quadro das negociações salariais analisado pelo DIEESE em 2016 revela o agravamento
da situação captada no balanço dos reajustes de 2015.
Em 2015, o percentual de negociações com reajuste acima da inflação foi de 51%. Esse
dado já revelava queda significativa em relação aos resultados apurados nos anos anteriores
(Gráfico 1). Para efeito de comparação, entre 2005 e 2014, o percentual de negociações com
aumento real nunca foi inferior a 70%; e, se excetuados os anos de 2005, 2008 e 2009, nunca
inferior a 86%.
Em 2016, a situação se agrava e o percentual de reajustes acima da inflação atinge o
menor patamar desde que o DIEESE deu início à divulgação da série dos balanços anuais dos
reajustes. A proporção de reajustes acima da variação do INPC de 2016 é somente comparável
à observada em 2003: ambas próximas a 19%.
No que se refere aos reajustes abaixo da inflação – sempre na comparação com a variação
do INPC –, a proporção praticamente dobrou em relação ao ano anterior: representava 19%
das negociações em 2015 e passou, em 2016, a quase 37%.
1 Índice Nacional de Preços ao Consumidor, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
(IBGE).
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 3
Todavia, os reajustes em valor igual à inflação também cresceram em 2016 e atingiram
a maior marca desde 1996, presentes em 44% das negociações analisadas.
Em virtude deste desempenho desfavorável para os trabalhadores, a variação real média
dos reajustes salariais em 2016 foi negativa (-0,52%), fato que não ocorria desde 2003.
GRÁFICO 1
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE,
e variação real média dos reajustes
Brasil, 1996-2016
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
A Tabela 1, a seguir, apresenta a distribuição dos reajustes salariais de 2016 de acordo
com faixas de variação real, segundo a comparação com a variação do INPC. Como se observa,
grande parte do reajuste se concentrou nas faixas próximas à variação da inflação, com maior
incidência dos reajustes em valor exatamente igual à variação do índice de preços.
A soma dos casos de reajustes iguais à inflação com os de perdas de até 1% e os de
ganhos de até 1% resulta em 78% do total de reajustes analisados.
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 4
TABELA 1
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE
Brasil, 2016
Variação
Reajustes Salariais
nº %
Acima do INPC-IBGE 135 18,9
Mais de 5% acima 0 0,0
De 4,01% a 5% acima 1 0,1
De 3,01% a 4% acima 0 0,0
De 2,01% a 3% acima 2 0,3
De 1,01% a 2% acima 5 0,7
De 0,01% a 1% acima 127 17,8
Igual ao INPC-IBGE 317 44,4
De 0,01% a 1% abaixo 116 16,2
De 1,01% a 2% abaixo 81 11,3
De 2,01% a 3% abaixo 29 4,1
De 3,01% a 4% abaixo 20 2,8
De 4,01% a 5% abaixo 6 0,8
Mais de 5% abaixo 10 1,4
Abaixo do INPC-IBGE 262 36,7
Total 714 100,0
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Reajustes salariais por data-base
O Gráfico 2, a seguir, apresenta o comportamento dos reajustes salariais de 2016 segundo
o mês de data-base das negociações coletivas consideradas.
Embora o comportamento não seja uniforme, é possível observar alguns padrões no desempenho
das negociações salariais no decorrer do ano. Em primeiro lugar, nota-se o crescimento
no percentual de reajustes em valor igual à variação do INPC ao longo dos meses, ressalvando
somente abril e junho. Em segundo lugar, nota-se queda no percentual de negociações
com reajustes abaixo da inflação, embora com trajetória menos regular que os primeiros.
Quanto aos reajustes superiores à inflação, há dois comportamentos distintos: no primeiro
semestre, de crescimento gradual no percentual de negociações com aumento real; no
segundo, de queda abrupta e manutenção em baixos patamares desse indicador.
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 5
GRÁFICO 2
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação
com o INPC-IBGE, por data-base
Brasil, 2016
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
A queda nos índices de inflação observada ao longo de 2016 pode explicar em parte o
comportamento das negociações dos reajustes salariais (Gráfico 3). Afinal, quanto menor a inflação,
menos difícil negociar a reposição de perdas passadas e a incorporação de ganhos reais.
No entanto, o comportamento da inflação por si só não é suficiente para explicar o desempenho
das negociações de 2016, haja vista a queda no percentual de reajustes acima da
inflação observada no segundo semestre.2 Outros fatores devem ser considerados, como o do
nível de atividade econômica, que vinha melhorando (isto é, caindo menos) ao longo do primeiro
semestre e piora no segundo, quando a queda se acentua, conforme dados do Produto
Interno Bruto recém divulgados pelo IBGE.3
2 Com o agravante que nesse período do ano se concentram as negociações coletivas de fortes categorias
profissionais.
3 Ver http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias.html?view=noticia&id=1&idnoti...
3384&busca=1&t=pib-recua-3-6-2016-fecha-ano-r-trilhoes
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 6
GRÁFICO 3
Inflação acumulada na data-base, segundo INPC-IBGE
Brasil, 2015-2016
Fonte: IBGE
Elaboração: DIEESE
Obs.: Considera-se valor do reajuste necessário a variação da inflação acumulada em 12 meses por data-base
Reajustes parcelados, escalonados e pagamento de abono salarial
Em 2016, houve intensificação no aumento dos reajustes salariais parcelados, o que já
havia sido observado em 2015. Entre 2008 e 2013, os reajustes salariais aplicados em mais de
uma parcela oscilavam em uma proporção que variava entre cerca de 4% e 5%. Após leve
crescimento em 2014, a proporção de reajustes parcelados dobrou em 2015. Em 2016, esta
modalidade de reajuste dobrou novamente e esteve presente em cerca de 30% dos reajustes
salariais.4
4 Os reajustes parcelados foram mais frequentes nas negociações de novembro (48% do total das
negociações com data-base no mês), outubro (42%) e junho (38%).
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 7
TABELA 2
Reajustes salariais segundo número de parcelas do pagamento,
Brasil, 2008-2016
Nº de parcelas 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Pagamento em 1 vez 95,6 93,0 94,8 95,0 95,0 94,6 93,5 85,9 70,4
Pagamento Parcelado 3,9 5,4 5,1 4,8 5,0 5,4 6,5 13,7 29,6
Em 2 vezes 3,8 4,8 4,6 4,0 5,0 5,4 6,5 12,7 26,6
Em 3 vezes 0,1 0,5 0,5 0,9 0,0 0,0 0,0 0,9 2,4
Em 4 vezes ou mais 0,0 0,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,6
Sem reajuste 0,5 1,6 0,1 0,1 0,0 0,0 0,0 0,4 0,0
Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Por sua vez, a proporção de negociações que registraram pagamento de abono salarial
em 2016 teve leve aumento em relação ao ano anterior, embora tenha se mantido em patamar
próximo ao dos anos anteriores.
Já o percentual de reajustes escalonados cresceu de forma mais acentuada em 2016. Nos
últimos anos, o crescimento desse tipo de reajuste foi lento e gradual, aumentando aproximadamente
9 pontos percentuais entre 2008 e 2015. Contudo, de 2015 para 2016, o crescimento
foi de 8 pontos percentuais.
TABELA 3
Unidades de negociação com reajustes salariais escalonados
e pagamento de abono salarial - Brasil, 2008-2016
(em %)
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Abono salarial 7,1 6,3 7,3 6,9 7,7 8,7 6,7 7,2 7,6
Reajuste escalonado 15,2 15,2 19,4 19,2 21,4 21,6 21,3 24,3 32,4
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Reajustes salariais por setores econômicos
Os serviços são o setor que registrou a maior proporção de reajustes salariais abaixo da
inflação em 2016. Quase a metade dos reajustes nesse setor (49%) não repôs as perdas salariais
acumuladas desde a última data-base. No entanto, cerca de 21% das negociações do setor conseguiram
aumento real – acima da proporção geral, portanto. Os demais 30% tiveram reajustes
iguais à inflação (Tabela 4).
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 8
A indústria e o comércio tiveram resultados semelhantes no tocante à proporção de categorias
com reajuste igual a inflação (53% e 50%, respectivamente) e abaixo (31% e 29%,
respectivamente).
Em todos os setores, reajustes acima da inflação foram os menos frequentes.
TABELA 4
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE,
segundo setor econômico - Brasil, 2016
Variação
Indústria Comércio Serviços
nº % nº % nº %
Acima do INPC-IBGE 59 16,9 25 21,4 51 20,6
Mais de 5% acima 0 0,0 0 0,0 0 0,0
De 4,01% a 5% acima 1 0,3 0 0,0 0 0,0
De 3,01% a 4% acima 0 0,0 0 0,0 0 0,0
De 2,01% a 3% acima 2 0,6 0 0,0 0 0,0
De 1,01% a 2% acima 3 0,9 0 0,0 2 0,8
De 0,01% a 1% acima 53 15,1 25 21,4 49 19,8
Igual ao INPC-IBGE 184 52,6 58 49,6 75 30,4
De 0,01% a 1% abaixo 44 12,6 20 17,1 52 21,1
De 1,01% a 2% abaixo 27 7,7 8 6,8 46 18,6
De 2,01% a 3% abaixo 15 4,3 4 3,4 10 4,0
De 3,01% a 4% abaixo 9 2,6 2 1,7 9 3,6
De 4,01% a 5% abaixo 5 1,4 0 0,0 1 0,4
Mais de 5% abaixo 7 2,0 0 0,0 3 1,2
Abaixo do INPC-IBGE 107 30,6 34 29,1 121 49,0
Total 350 100,0 117 100,0 247 100,0
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Indústria
O Gráfico 4 mostra que houve piora nos reajustes salariais da indústria. Foram observados
aumentos nas frequências dos reajustes abaixo da inflação e também daqueles que apenas
repõem as perdas inflacionárias. Como resultado, os reajustes acima da inflação registraram
forte queda em relação a 2015. De 2014 a 2016, a proporção de reajustes com ganho real caiu
aproximadamente 72 pontos percentuais.
Em razão do desempenho das negociações da indústria em 2016, a variação real média
dos reajustes no setor foi de -0,52%.
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 9
GRÁFICO 4
Distribuição dos reajustes salariais na indústria, em comparação com o INPC-IBGE,
e variação real média dos reajustes - Brasil, 2008-2016
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
A Tabela 5 revela que o quadro negativo das negociações da indústria foi disseminado
e pode ser observado nas principais atividades do setor. Todas elas registraram variação real
média negativa em 2016, isto é, levaram a uma perda real. A atividade metalúrgica registrou o
resultado menos desfavorável do setor. Quase um quarto das negociações obteve aumentos reais,
maior proporção no setor; e 17% das negociações registraram reajustes abaixo da inflação,
o menor do setor. Entretanto, a maior proporção de reajustes acima da inflação não resultou em
variação real média positiva (-0,48%).
Os urbanitários registraram a maior proporção de reajustes abaixo da variação do INPC
(46%). Porém na média as maiores perdas foram observadas na indústria gráfica (-0,71%) e nas
indústrias química e farmacêutica (-0,65).
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 10
TABELA 5
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE, e variação real
média dos reajustes, segundo atividades econômicas selecionadas da indústria
Brasil, 2016
Atividade econômica
Acima Igual Abaixo Total Variação
real média
nº % nº % nº % nº % (%)
Alimentação 7 15,9 23 52,3 14 31,8 44 100,0 -0,43
Construção e Mobiliário 10 14,5 36 52,2 23 33,3 69 100,0 -0,48
Fiação e Tecelagem 1 5,3 14 73,7 4 21,1 19 100,0 -0,15
Gráfica 2 13,3 9 60,0 4 26,7 15 100,0 -0,71
Metalúrgica 17 24,6 40 58,0 12 17,4 69 100,0 -0,48
Papel, Papelão 2 18,2 8 72,7 1 9,1 11 100,0 -0,19
Química e Farmacêutica 3 10,0 16 53,3 11 36,7 30 100,0 -0,65
Urbana 6 16,2 14 37,8 17 45,9 37 100,0 -0,54
Vestuário 9 23,1 19 48,7 11 28,2 39 100,0 -0,57
Total do setor 59 16,9 184 52,6 107 30,6 350 100,0 -0,52
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Obs.: São apresentadas somente as atividades econômicas com 10 ou mais reajustes registrados em 2016. No total do setor,
foram incluídas as demais atividades econômicas não discriminadas na tabela
Comércio
No setor do comércio também houve forte queda da proporção de reajustes salariais
acima da inflação. Representavam 98% dos reajustes em 2014, caíram para 52% em 2015 e,
em 2016, chegaram a 21%, como pode ser observado no Gráfico 5. Os reajustes iguais à inflação
foram negociados por praticamente metade das negociações e cerca de 29% obtiveram reajustes
que não repuseram as perdas inflacionárias.
A perda salarial média foi a menor comparada aos outros setores: 0,24% abaixo da inflação.
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 11
GRÁFICO 5
Distribuição dos reajustes salariais no comércio, em comparação com o INPC-IBGE,
e variação real média dos reajustes - Brasil, 2008-2016
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
As duas principais atividades do comércio tiveram resultados desiguais no que se refere
à distribuição de reajustes salariais. O resultado mais desfavorável foi observado no comércio
de minérios e derivados do petróleo, no qual predominaram os reajustes abaixo da inflação
(57%). Já no comércio varejista e atacadista, nota-se a concentração de reajustes com valor
igual a inflação. Porém ambas atividades registraram variações reais negativa, como mostra a
Tabela 6.
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 12
TABELA 6
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE, e variação real
média dos reajustes, segundo atividades econômicas selecionadas do Comércio
Brasil, 2016
Atividade econômica
Acima Igual Abaixo Total Variação
real média
nº % nº % nº % nº % (%)
Minérios e Deriv. Petróleo 4 28,6 2 14,3 8 57,1 14 100,0 -0,41
Varejista e Atacadista 20 20,4 56 57,1 22 22,4 98 100,0 -0,20
Total do setor 25 21,4 58 49,6 34 29,1 117 100,0 -0,24
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Obs.: São apresentadas somente as atividades econômicas com 10 ou mais reajustes registrados em 2016. No total do setor,
foram incluídas as demais atividades econômicas não discriminadas na tabela
Serviços
Em comparação aos demais setores econômicos, os serviços tiveram o pior resultado.
Quase a metade das negociações registrou reajustes abaixo da inflação. O setor também foi o
que teve a maior perda real média: 0,64% abaixo da inflação (Gráfico 6).
GRÁFICO 6
Distribuição dos reajustes salariais nos serviços, em comparação com o INPC-IBGE,
e variação real média dos reajustes
Brasil, 2008-2016
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 13
Nos serviços, as negociações da segurança e vigilância apresentaram os melhores resultados.
Cerca de 44% dos reajustes registraram ganhos reais. Foi uma das poucas atividades
econômicas cuja variação real média foi positiva, contudo muito próxima do índice inflacionário
(0,05%). Aumento real médio idêntico foi observado na educação, ainda que o percentual
de reajustes acima da inflação tenha sido menor (29,4%).
Por outro lado, todos os reajustes de processamento de dados ficaram abaixo da inflação,
que registrou variação real média de 0,88% abaixo da variação do INPC.
A maior perda real média nos serviços foi observada nas comunicações (1,47% abaixo
da variação do INPC) como pode ser visto na Tabela 7.
TABELA 7
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE, e variação real
média dos salários, segundo atividades econômicas selecionadas dos serviços
Brasil, 2016
Atividade econômica
Acima Igual Abaixo Total Variação
real média
nº % nº % nº % nº % (%)
Bancos e Seguros Privados 5 35,7 0 0,0 9 64,3 14 100,0 -0,73
Comunicações 1 3,3 12 40,0 17 56,7 30 100,0 -1,47
Educação 10 29,4 19 55,9 5 14,7 34 100,0 0,05
Processamento de Dados 0 0,0 0 0,0 12 100,0 12 100,0 -0,88
Segurança e Vigilância 7 43,8 6 37,5 3 18,8 16 100,0 0,05
Serviços de Saúde 3 13,6 6 27,3 13 59,1 22 100,0 -0,76
Transportes 13 28,9 13 28,9 19 42,2 45 100,0 -0,51
Turismo e Hospitalidade 9 16,4 12 21,8 34 61,8 55 100,0 -0,72
Total do setor 51 20,6 75 30,4 121 49,0 247 100,0 -0,64
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Obs.: São apresentadas somente as atividades econômicas com 10 ou mais reajustes registrados em 2016. No total do setor,
foram incluídas as demais atividades econômicas não discriminadas na tabela
Reajustes salariais por regiões geográficas
Exceto pelas negociações realizadas na região Sul do país e pelas negociações de abrangência
nacional, não se nota diferenças significativas nas características dos reajustes conquistados
pelas categorias das demais regiões do país.
Nas regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste predominaram os reajustes salariais
abaixo da inflação, situados em uma proporção entre 41% e 48% do total de negociações
cada região. Em seguida, observam-se os reajustes iguais à inflação, que variaram entre 37% e
39% do total em cada uma delas, e os reajustes acima, variando entre 15% e 21% (Gráfico 7)
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 14
Na região Sul, diferentemente, reajuste iguais à inflação foram verificados em 65% das
negociações analisadas. O percentual de reajustes acima da inflação foi semelhante ao das demais
regiões (19%); e o de reajustes abaixo da inflação, muito abaixo da média geral (16,5%).
O conjunto das negociações de abrangência nacional ou inter-regional também apresentou
percentuais que destoam dos demais. Aproximadamente 78% dos reajustes não foram suficientes
para recompor o poder de compra dos salários, 17% atingiram essa marca e apenas 6%
obtiveram aumento real.
GRÁFICO 7
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE,
por região geográfica - Brasil, 2016
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Reajustes salariais por tipo de negociação
A análise dos reajustes segundo o tipo de instrumento coletivo mostra que as convenções
coletivas (documentos resultantes da negociação por categoria) apresentaram resultados menos
desfavoráveis para os trabalhadores do que os acordos coletivos (documentos resultantes da
negociação por empresas).
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 15
Mais da metade das negociações de acordos coletivos, cerca de 52%, resultaram em
reajustes abaixo da inflação. Entre as negociações de convenções coletivas, essa proporção foi
menor, embora alcance expressivos 34%, pouco mais de um terço destes reajustes.
Reajustes iguais à inflação foram mais frequentes entre as convenções (45%, diante de
40% dos casos nos acordos), assim como os reajustes acima da inflação (21%, diante de 9%
dos acordos) (Gráfico 8).
GRÁFICO 8
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o INPC-IBGE,
por tipo de instrumento - Brasil, 2016
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Resultados segundo o ICV-DIEESE
De acordo com a variação da inflação medida pelo Índice de Custo de Vida do DIEESE,
cerca de 66% das negociações analisadas em 2016 registraram reajustes acima da inflação, 33%
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 16
tiveram reajustes abaixo da inflação e apenas 1% obteve reajuste em valor igual à variação do
ICV5.
TABELA 8
Distribuição dos reajustes salariais, em comparação com o ICV-DIEESE
Brasil, 2016
Variação
Reajustes Salariais
nº %
Acima do ICV-DIEESE 470 65,8
Mais de 5% acima 1 0,1
De 4,01% a 5% acima 0 0,0
De 3,01% a 4% acima 2 0,3
De 2,01% a 3% acima 2 0,3
De 1,01% a 2% acima 42 5,9
De 0,01% a 1% acima 423 59,2
Igual ao ICV-DIEESE 8 1,1
De 0,01% a 1% abaixo 133 18,6
De 1,01% a 2% abaixo 51 7,1
De 2,01% a 3% abaixo 27 3,8
De 3,01% a 4% abaixo 12 1,7
De 4,01% a 5% abaixo 4 0,6
Mais de 5% abaixo 9 1,3
Abaixo do ICV-DIEESE 236 33,1
Total 714 100,0
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Considerações finais
O resultado da negociação coletiva de 2016 foi um dos mais desfavoráveis para os trabalhadores,
quando comparado com os reajustes dos últimos 20 anos. A proporção de reajustes
acima da inflação (19%) igualou à proporção mais baixa da série, registrada em 2003; e a frequência
de reajustes abaixo da inflação atingiu o patamar de 37%, o que há muito tempo não se
observava. O resultado só não foi pior devido à alta proporção de reajustes (44%) iguais à inflação,
a maior em toda a série dos balanços anuais de reajustes.
5 As diferenças entre os resultados apurados segundo o INPC-IBGE e o ICV-DIEESE decorrem do nível
de abrangência das pesquisas e de diferenças metodológicas existentes entre elas, que implicam estimativas
diferentes para a inflação. O ICV-DIEESE, que calcula a variação dos preços na cidade de São
Paulo, estimou uma variação ligeiramente menor do que o INPC-IBGE, que calcula a variação dos
preços em nove regiões metropolitanas, mais Brasília e o município de Goiânia.
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 17
Por essa razão, a variação real média registrada em 2016 foi negativa (-0,52%), algo que
não ocorria desde 2003.
Os resultados dos reajustes salariais de 2016 são o reflexo do desempenho da economia
nos últimos dois anos. O balanço dos reajustes de 2015 já havia mostrado mudança brusca nos
patamares dos reajustes em relação aos 10 anos anteriores. Nesse intervalo, os reajustes acima
da inflação eram predominantes, oscilando quase sempre acima de 86%.6 Em 2015, a proporção
de reajustes abaixo da inflação aumentou significativamente, assim como os reajustes iguais à
inflação; e pouco mais da metade das negociações obtiveram aumentos acima da inflação. Em
2016, a situação se agravou.
A grave crise econômica pela qual passa o país é uma das principais razões para o desempenho
negativo das negociações salariais de 2016. Como mostram os dados recém-publicados
pelo IBGE sobre o Produto Interno Bruto brasileiro, a queda no nível da atividade econômica
foi geral e profunda, embora em nível diferenciado ao longo dos trimestres do ano:
ligeira melhora na primeira metade de 2016, seguida da piora no período subsequente, fato que
ajuda a entender o desempenho das negociações do segundo semestre.
Os dados são corroborados pelas pesquisas de emprego e desemprego (PED) do DIEESE e
Fundação SEADE, que indicaram o preocupante aumento das taxas de desemprego e desocupação,
após um longo período em que a pesquisa sinalizava o contrário: uma alta taxa de ocupação e desemprego
em queda.
Um dos poucos fatores positivos da economia em 2016 foi a queda das taxas de inflação.
Talvez por essa razão, muitas categorias lograram ao menos recompor o poder de compra dos salários,
independentemente da forma como isso foi alcançado – mediante parcelamento e/ou escalonamento
dos reajustes. Ou seja, para a parte dos trabalhadores que conseguiu manter-se empregada
em 2016, a recomposição do valor real dos salários foi o melhor que conseguiram conquistar nestes
tempos tão adversos.
A profunda recessão econômica pode ter sido fator determinante para a queda das taxas de
inflação. No entanto, trata-se do exemplo do remédio que, a custas de matar o paciente, dá a falsa
impressão de debelar a doença. Enquanto tal cenário não for revertido, as negociações coletivas
continuarão se dando em ambiente muito adverso aos trabalhadores.
6 À exceção de 2005, 2008 e 2009, quando foram atingidos os patamares também elevados de 72%,
77% e 80% dos reajustes de cada ano, respectivamente.
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 18
Anexos
Nesta seção são apresentadas tabelas com informações complementares ao balanço dos
reajustes de 2016. A Tabela 9 traz a distribuição dos reajustes analisados por setor econômico
segundo as datas-bases das categorias analisadas. A Tabela 10 apresenta a distribuição dos reajustes
de acordo com o tipo de instrumento normativo. A Tabela 11 mostra a distribuição dos
reajustes segundo o setor e a atividade econômica das categorias profissionais. Por fim, a Tabela
12 traz a distribuição dos reajustes segundo região geográfica e unidade da Federação.
TABELA 9
Distribuição dos reajustes salariais, por setor econômico, segundo data-base
Brasil, 2016
Indústria Comércio Serviços Total
nº %
%
acum
nº %
%
acum
nº %
%
acum
nº %
%
acum
Jan 35 10,0 10,0 13 11,1 11,1 47 19,0 19,0 95 13,3 13,3
Fev 9 2,6 12,6 1 0,9 12,0 14 5,7 24,7 24 3,4 16,7
Mar 27 7,7 20,3 28 23,9 35,9 37 15,0 39,7 92 12,9 29,6
Abr 21 6,0 26,3 8 6,8 42,7 21 8,5 48,2 50 7,0 36,6
Mai 94 26,9 53,1 11 9,4 52,1 67 27,1 75,3 172 24,1 60,6
Jun 25 7,1 60,3 6 5,1 57,3 13 5,3 80,6 44 6,2 66,8
Jul 15 4,3 64,6 9 7,7 65,0 3 1,2 81,8 27 3,8 70,6
Ago 20 5,7 70,3 2 1,7 66,7 9 3,6 85,4 31 4,3 74,9
Set 34 9,7 80,0 18 15,4 82,1 23 9,3 94,7 75 10,5 85,4
Out 28 8,0 88,0 8 6,8 88,9 6 2,4 97,2 42 5,9 91,3
Nov 37 10,6 98,6 11 9,4 98,3 4 1,6 98,8 52 7,3 98,6
Dez 5 1,4 100,0 2 1,7 100,0 3 1,2 100,0 10 1,4 100,0
Total 350 100,0 - 117 100,0 - 247 100,0 - 714 100,0 -
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
TABELA 10
Distribuição dos reajustes salariais, segundo tipo de instrumento
Brasil, 2016
Instrumento Normativo
Reajustes Salariais
nº %
Acordo Coletivo 101 14,1
Convenção Coletiva 613 85,9
Total 714 100,0
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 19
TABELA 11
Distribuição dos reajustes salariais, segundo setor
e atividade econômica
Brasil, 2016
Setor / Atividade Econômica
Reajustes Salariais
nº %
Comércio 117 16,4
Minérios e Derivados de Petróleo 14 2,0
Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos 5 0,7
Varejista e Atacadista 98 13,7
Indústria 350 49,0
Alimentação 44 6,2
Artefatos de Borracha 4 0,6
Artefatos de Couro 1 0,1
Cinematográfica 1 0,1
Construção e Mobiliário 69 9,7
Extrativa 7 1,0
Fiação e Tecelagem 19 2,7
Gráfica 15 2,1
Instrumentos Musicais e Brinquedos 1 0,1
Joalheria e Lapidação 1 0,1
Metalúrgica, Mecânica e de Material Elétrico 69 9,7
Papel, Papelão e Cortiça 11 1,5
Química e Farmacêutica 30 4,2
Urbana 37 5,2
Vestuário 39 5,5
Vidros 2 0,3
Serviços 247 34,6
Agentes Autônomos no Comércio 9 1,3
Bancos e Seguros Privados 14 2,0
Comunicações, Publicidade e Empresas Jornalísticas 30 4,2
Cultura Física 1 0,1
Difusão Cultural 9 1,3
Educação 34 4,8
Processamento de Dados 12 1,7
Segurança e Vigilância 16 2,2
Serviços de Saúde 22 3,1
Transportes 45 6,3
Turismo e Hospitalidade 55 7,7
Total 714 100,0
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 20
TABELA 12
Distribuição dos reajustes salariais, segundo região geográfica
e unidade da Federação
Brasil, 2016
Região Geográfica / unidade da Federação
Reajustes Salariais
nº %
Norte 48 6,7
Amazonas 21 2,9
Pará 23 3,2
Rondônia 3 0,4
Roraima 1 0,1
Nordeste 126 17,6
Alagoas 5 0,7
Bahia 39 5,5
Ceará 22 3,1
Maranhão 1 0,1
Paraíba 10 1,4
Pernambuco 23 3,2
Piauí 4 0,6
Rio Grande do Norte 13 1,8
Sergipe 9 1,3
Centro-Oeste 53 7,4
Distrito Federal 21 2,9
Goiás 22 3,1
Mato Grosso 6 0,8
Mato Grosso do Sul 4 0,6
Sudeste 275 38,5
Espírito Santo 11 1,5
Minas Gerais 57 8,0
Rio de Janeiro 67 9,4
São Paulo 140 19,6
Sul 194 27,2
Paraná 62 8,7
Rio Grande do Sul 78 10,9
Santa Catarina 54 7,6
Nacional / Inter-regional 18 2,5
Total 714 100,0
Fonte: DIEESE. SAS-DIEESE – Sistema de Acompanhamento de Salários
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 21
Notas metodológicas
1. As informações que embasam este estudo foram extraídas de acordos e convenções coletivas
de trabalho registradas no Sistema de Acompanhamento de Salários (SAS-DIEESE).
Os documentos foram remetidos ao DIEESE pelas entidades sindicais envolvidas nas negociações
coletivas, pelos escritórios regionais e subseções (unidades de trabalho que funcionam
dentro de entidades sindicais) ou captados diretamente no Sistema Mediador, base
de dados de instrumentos coletivos mantida pelo Ministério do Trabalho. Complementarmente,
também foi considerado o noticiário da imprensa escrita e dos veículos impressos
ou virtuais do meio sindical – jornais e revistas de sindicatos representativos de trabalhadores
e de entidades sindicais empresariais.
2. Os dados aqui apresentados têm valor indicativo e buscam captar tendências da negociação
salarial no país.
3. O painel de informações utilizado não permite extrapolações para além do conjunto exposto
neste trabalho, dado que não se trata de amostra probabilística.
4. Cada registro refere-se a uma unidade de negociação. Por unidade de negociação, entendese
cada núcleo de negociação coletiva entre representantes de trabalhadores e empresários
que resulta em um contrato formalizado entre as partes.
5. Este estudo analisou os reajustes salariais acordados por 714 unidades de negociação da
indústria, do comércio e dos serviços. Estas negociações fazem parte de um painel fixo de
895 unidades de negociação acompanhadas anualmente pelo SAS-DIEESE desde 2008.
6. Foram excluídos desta pesquisa os reajustes conquistados pelas entidades representativas
dos trabalhadores rurais e do funcionalismo público. Isto se deve às peculiaridades da dinâmica
e dos resultados das negociações dessas categorias, que diferem significativamente
das desenvolvidas nos demais setores econômicos.
7. O foco exclusivo das análises desenvolvidas nesta pesquisa são as negociações por reajuste
dos salários diretos. Não faz parte das pretensões deste trabalho, portanto, a abordagem dos
efeitos de vantagens compensatórias acordadas sob a forma de remuneração indireta ou
variável (auxílios e adicionais).
8. Os reajustes aplicados aos pisos salariais são, em geral, diferentes dos aplicados aos demais
salários. Neste estudo, foram considerados somente os reajustes aplicados aos salários superiores
aos pisos.
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 22
9. No caso de reajustes salariais escalonados por faixas de remuneração, foi registrado o percentual
incidente sobre o menor salário ou, quando disponível a informação, sobre a faixa
salarial mais abrangente.
10. Nas tabelas do estudo, os percentuais serão sempre apresentados com arredondamento na
primeira casa decimal, à exceção dos percentuais de inflação e aumento real médio, apresentados
com arredondamento na segunda casa decimal. No texto, aparecerão arredondados
para o valor inteiro mais próximo, resguardada a ressalva feita em relação aos índices
de inflação e aumento real médio.
Balanço das negociações dos reajustes salariais de 2016 23
Rua Aurora, 957 – Centro – São Paulo/SP
012009-001
Fone: (11) 3874-5366 – Fax: (11) 3874-5394
E-mail: [email protected]
http://www.dieese.org.br
Direção Sindical Executiva
Presidente: Luis Carlos de Oliveira
Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico de São Paulo Mogi
das Cruzes e Região – SP
Vice-presidente: Raquel Kacelnikas
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de São Paulo Osasco e Região – SP
Secretário Nacional: Nelsi Rodrigues da Silva
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC - SP
Diretor Executivo: Alex Sandro Ferreira da Silva
Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico de Osasco e Região –
SP
Diretor Executivo: Bernardino Jesus de Brito
Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Energia Elétrica de São Paulo – SP
Diretor Executivo: Carlos Donizeti França de Oliveira
Federação dos Trabalhadores em Serviços de Asseio e Conservação Ambiental Urbana e Áreas Verdes do Estado
de São Paulo – SP
Diretora Executiva: Cibele Granito Santana
Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Energia Elétrica de Campinas – SP
Diretor Executivo: Josinaldo José de Barros
Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Materiais Elétricos de Guarulhos Arujá
Mairiporã e Santa Isabel – SP
Diretora Executiva: Mara Luzia Feltes
Sindicato dos Empregados em Empresas de Assessoramentos Perícias Informações Pesquisas e de Fundações
Estaduais do Rio Grande do Sul – RS
Diretora Executiva: Maria das Graças de Oliveira
Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Estado de Pernambuco – PE
Diretor Executivo: Paulo Roberto dos Santos Pissinini Junior
Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas de Máquinas Mecânicas de Material Elétrico de Veículos
e Peças Automotivas da Grande Curitiba – PR
Diretor Executivo: Paulo de Tarso Guedes de Brito Costa
Sindicato dos Eletricitários da Bahia – BA
Diretora Executiva: Zenaide Honório
Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo – SP
Direção Técnica
Diretor Técnico: Clemente Ganz Lúcio
Coordenadora de Pesquisas e Tecnologia: Patrícia Pelatieri
Coordenador de Educação e Comunicação: Fausto Augusto Junior
Coordenador de Relações Sindicais: José Silvestre Prado de Oliveira
Coordenadora de Estudos em Políticas Públicas: Angela Schwengber
Coordenadora Administrativa e Financeira: Rosana de Freitas
Equipe Técnica Responsável
Daniel Ribeiro
Luís Augusto Ribeiro da Costa
Henrique Sanchez Fraga (auxiliar técnico)
José Silvestre Prado de Oliveira (revisão técnica)
Paulo Jager (revisão técnica)

Ver arquivo de notícias

  • Sindicato dos Trabalhadores em Informática & Tecnologia da Informação do Paraná
  • Rua Deputado Mário de Barros, 924 | Juvevê | CEP 80530 280 | Curitiba | Paraná
  • Horário de Atendimento | Segunda à Sexta | 09:00 às 12:00 | 14:00 às 18:00
  • Fone: 41 3254 8330 | Fax: 41 3254 8308 | Mapa do Endereço

1024x768 | Mozilla | IE7 | MSWI :: Soluções Web Inteligentes